segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

ROCK IN RIO

Sucesso em 2011, edição do Rock In Rio em 2013 é confirmada






Organização confirma próxima edição

Rio de Janeiro, 02 de outubro de 2011 –Após quase 100 horas de diversão ao longo de sete dias, o público que já começava a se sentir órfão do Rock in Rio pode comemorar a confirmação de uma nova edição do maior festival de música e entretenimento do mundo – e o melhor, com data marcada. Em setembro de 2013, o Rock in Rio retorna ao Parque Olímpico Cidade do Rock, área de 150 mil m2 cedida pela Prefeitura do Rio de Janeiro e que servirá como parque de lazer dos atletas durante os Jogos Olímpicos de 2016.
A prévia da pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE) ao longo do primeiro fim de semana, com 89% do público  presente no evento afirmando que retornaria em outras edições, já mostrava o sucesso do Rock in Rio. O comprometimento das marcas investidoras é outro dos indicadores. A organização confirma a edição de 2013 com seu patrocinador master já fechado: o Itaú, que pela segunda edição consecutiva investirá no festival. Além deste, quatro cotas de patrocinadores também já estão garantidas: Heineken, Trident, Club Social e Sky. A TV Globo mais uma vez será media partner, realizando toda a cobertura oficial do Rock in Rio. O prestígio alcançado pelo evento nos últimos anos é resultado de um modelo de comunicação que enxerga além do palco, com a preocupação de oferecer diversas oportunidades de negócios para as marcas ligadas ao  evento; suporte profissional, pessoal e tecnológico aos artistas; conforto; serviços; e produtos para o público por preços justos, além do compromisso com as cidades-sede e desenvolvimento de ações concretas com foco social e ambiental.
O Rock in Rio 2013 será realizado em um momento promissor, às vésperas da Copa do Mundo de 2014.A organização do evento acredita que a edição contribuirá mais uma vez na avaliação e no aperfeiçoamento das condições logísticas e operacionais da cidade para a realização de grandes eventos. Até lá, aparelhagens públicas como o metrô e as BRTs já estarão funcionando, garantindo ainda mais infraestrutura.
Mais do que um festival de música, o Rock in Rio é um projeto de comunicação com forte apelo social, contribuindo para a geração de empregos, movimentando a economia, impulsionando o turismo e projetando de forma positiva a imagem da cidade onde é realizado para todos os cantos do planeta. A força de sua história e marca são claras. No total, são 10 edições já realizadas – Brasil (1985, 1991, 2001 e 2011), Portugal (2004, 2006, 2008 e 2010) e Espanha (2008 e 2010) – e cerca de 6 milhões de espectadores, somando a edição de 2011. Em sua primeira edição, em 1985, o Rock in Rio impulsionou a indústria do show business no Brasil ao inserir o país na rota dos grandes astros internacionais, como Queen e AC/DC, e marcou a história da música ao abrir espaço para bandas que viriam a se tornar alguns dos mais celebrados nomes da rock brasileiro, como Os Paralamas do Sucesso e Barão Vermelho.
Em 2011, em seu retorno ao Rio de Janeiro após dez anos e amadurecido, carregando na bagagem a experiência adquirida com a realização de seis edições internacionais, o Rock in Rio, assim como fez em 1985, marca mais uma vez o país ao introduzir um conceito totalmente inovador de festival, um verdadeiro complexo de entretenimento que atende às preferências de diversos públicos.Em seis dias desta edição, 600 mil pessoas já assistiram e se emocionaram com as apresentações dos Palcos Mundo e Sunset e Eletrônica, se encantaram com as diversas manifestações artísticas na Rock Street e se divertiram nos brinquedos espalhados pela Cidade do Rock. Ainda são aguardadas mais 100 mil visitantes neste domingo, último dia do evento. Até a noite de sexta-feira (30), cerca de 24 mil pessoas já tinham passado pela Roda Gigante do Itaú e da Prefeitura, quase 21 mil pela Montanha Russa da Chilli Beans, em torno de 4 mil pela Tirolesa da Heineken e cerca de 7 mil pelo Free Fall do Bis. Segundo dados da Riotur, a estimativa de impacto econômico do Rock in Rio para a Cidade do Rio de Janeiro nesta edição de 2011 é de cerca de U$ 419 milhões.
Das 700 mil pessoas que compraram ingressos para o Rock in Rio, 45% correpondem a turistas de fora do estado e 55% ao público do Rio de Janeiro (cariocas e região metropolitana).  Nas redes sociais, os números do festival também impressionam. O Rock in Rio é hoje o maior festival de música e entretenimento do mundo nas redes, ultrapassando Coachella (EUA) e Glastonbury (Inglaterra). Até a manhã deste domingo (2), o impacto causado pelo Rock in Rio em mídias sociais atingiu 150 milhões de pessoas. No total são 4,5 milhões de seguidores nas redes sociais do evento, 6,5 milhões de exibições de fotos e 4,5 milhões de visitantes únicos do início do festival até este domingo.
Antes de aterrissar mais uma vez no Rio de Janeiro, o Rock in Rio realizará duas outras edições em 2012 em Lisboa e Madri, nos meses de maio e junho, respectivamente. Há ainda a expectativa de que, além do Brasil, outro país da América Latina receba uma edição do Rock in Rio em 2013. Uma grande campanha internacional do Rock in Rio, com foco na América Latina foi realizada este ano no México, Argentina e Colômbia. A ação convocou o público a participar de uma votação para escolher o próximo país sede do evento. Na enquete realizada no site oficial do Rock in Rio, o México saiu na frente com 44,32% dos mais de 560 mil votos. A disputa foi acirrada. A Colômbia ficou logo atrás, por uma pequena diferença, com 44,2%. Já a Argentina teve 11,48%.




Alguns números da edição de 2011:
·         Mais de 160 atrações musicais nos sete dias de evento;
·         Ingressos esgotados: 700 mil ingressos vendidos;
·         Área Vip recebeu 4 mil pessoas diariamente;
·         Até sexta-feira (30) cerca de 24 mil pessoas já tinham passado pela Roda Gigante do Itaú e da Prefeitura, quase 21 mil pela Montanha Russa da Chilli Beans, em torno de 4 mil pela Tirolesa da Heineken e cerca de 7 mil pelo Free Fall do Bis.
·         No primeiro fim de semana de shows, o canal oficial do Rock in Rio no YouTube atingiu a expressiva marca de 4 milhões de visitas;
·         Usuários de mais de 200 países acompanharam, ao vivo, via YouTube, artistas como Metallica, Red Hot Chilli Peppers e Kate Perry. O show do Metallica, um dos mais aguardados, bateu recorde e foi o festival mais visto de toda a história de transmissões da comunidade de compartilhamento de vídeos, que inclui festivais internacionais como Lollapalooza e Coachella;
·         Até a manhã deste domingo (2), o impacto causado pelo Rock in Rio em mídias sociais atingiu 150 milhões de pessoas (ferramenta de medição Scup). No total são 4,5 milhões de seguidores nas redes sociais do evento, 6,5 milhões de exibições de fotos e 4,5 milhões de visitantes únicos nos sete dias de festival;
·         O Rock in Rio foi trending topics em 10 países;
·         O aplicativo oficial do Rock in Rio foi o mais baixado do Brasil;
·         Mais de 200 países acessaram o conteúdo das redes sociais do Rock in Rio;
·         Desde julho de 2010 até este domingo (2) o site oficial do Rock in Rio teve 71 milhões pageviews e 12 milhões de visitantes únicos;
·         Apenas no primeiro fim de semana do evento foram vendidas 25 mil camisas oficiais, sendo 12,5 mil com os dizeres “Eu fui” e outras 4 mil com os logos das bandas que se apresentaram, 10 mil chaveiros e 20 mil squeezes personalizados.


 Algumas fotos do Rock in Rio 2011







































segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Freddie Mercury

Estrada do Rock homenagea ao 65º aniversário do cantor Freddie Mercury do grupo Queen










         Freddie Mercury, nome artístico de Farrokh Bulsara (Stone Town, 5 de setembro de 1946 — Londres, 24 de novembro de 1991), foi o vocalista da banda de rock britânica Queen. Era considerado pelos críticos e por diversas votações populares um dos melhores cantores de todos os tempos e uma das vozes mais conhecidas do mundo.



 Biografia / Carreira



Freddie Mercury nasceu na localidade da Cidade de Pedra, na ilha Zanzibar, à época colônia britânica, hoje pertencente à Tanzânia, na África Oriental. Seus pais, Bomi e Jer Bulsara, eram indianos da religião zoroastriana. Mercury foi educado na St. Peter Boarding School, uma escola inglesa perto de Bombaim, na Índia, onde deu seus primeiros passos no âmbito da canção, ao ter aulas de piano. Foi na escola que ele começou a ser chamado "Freddie" e, com o tempo, até os seus pais passaram a chamá-lo assim.

Depois de se formar em sua terra natal, Mercury e família mudaram-se em 1964 para a Inglaterra, devido a uma revolução iniciada em Zanzibar. Ele tinha dezoito anos. Lá diplomou-se em Design Gráfico e Artístico na Ealing Art College, seguindo os passos de Pete Townshend. Esse conhecimento mostrar-se-ia útil depois, ao Freddie projetar o famoso símbolo da banda.






Algo que poucos fãs sabem é que, na escola de artes em que se bacharelou, Freddie era conhecido como um aluno exemplar e muito quieto. Tinha uma personalidade bastante introspectiva. Concluiu os exames finais do curso com conceito A. Possui uma série de trabalhos em arte visual, hoje disponíveis em alguns sites na internet.

Na faculdade, ele conheceu o baixista Tim Staffell. Tim tinha uma banda na faculdade chamada Smile, que tinha Brian May como guitarrista e Roger Taylor como baterista, e levou Freddie para participar dos ensaios.

Em abril de 1970, Tim deixa o grupo e Freddie acaba ficando como vocalista da banda que passa a se chamar Queen. Freddie decide colocar Mercury no nome. Ainda em 1970, ele conheceu Mary Austin, sua namorada, com quem viveu por cinco anos. Foi com ela que assumiu sua orientação sexual, já que Freddie era bissexual e os dois, mesmo separados, mantiveram forte laço de amizade até o fim de sua vida. Mary inspirou Freddie na música "Love of My Life", de acordo com declaração do cantor e de seus companheiros de Banda, sendo Mary acima de tudo o verdadeiro amor dele.







No visual de Freddie, há uma mudança que não deixa de ser notada: se, na era Glam dos anos 70, o cabelo comprido, delineador preto, unhas pintadas , os maillotes de bailado e sapato de tacão alto eram moda, estes iriam dar lugar a uma postura mais "macho": cabedal preto, chapéu de polícia, cabelo curto e meses mais tarde bigode, essa seria a sua imagem de marca na década de 1980. Nessa época que seus amigos descobriram sua bissexualidade, pois ele passou a levar rockeiros para dormir em seu quarto, além de algumas garotas.

Mercury compôs muitos dos sucessos da banda, como "Bohemian Rhapsody", Somebody to Love, "Love of My Life" e "We Are the Champions"; hinos eloquentes e de estruturação extraordinária, particulares e sempiternos. Suas exibições ao vivo eram lendárias, tornando-se imagem de marca da banda. A facilidade com que Freddie dominava as multidões e os seus improvisos vocais envolvendo o público no show tornaram as suas turnês um enorme sucesso na década de 1970 e principalmente (enchendo estádios de todo o mundo) nos anos 80.
Estátua de Freddie Mercury em Montreux.





Lançou dois discos-solo, aclamados pela crítica e pelo público.

Em 1991, após ficar muito doente, surgiam rumores de que Mercury estava com AIDS, que se confirmaram em uma declaração feita por ele mesmo em 23 de novembro, um dia antes de morrer, vindo a falecer na noite de 24 de novembro de 1991, em sua própria casa, chamada de Garden Lodge. Sua morte causou repercussão e tristeza em todo o mundo. A casa de Freddie Mercury, passada por testamento à sua ex-namorada, Mary Austin, recebeu muitos buquês de flores na época e continua a receber até hoje.

O corpo de Freddie Mercury foi cremado e por este motivo não existe túmulo para que seus fãs possam homenageá-lo. Sua cinzas foram espalhadas na margem do Lago Genebra na Suíça.
Em 25 de novembro de 1992, foi inaugurada uma estátua em sua homenagem, com a presença de Brian May, Roger Taylor, da cantora Montserrat Caballé, Jer e Bomi Bulsara (pais de Freddie) e Kashmira Bulsara (irmã de Freddie), em Montreux, na Suíça, cidade adotada por Freddie como seu segundo lar.

Os membros remanescentes do Queen fundaram uma associação de caridade em seu nome, a The Mercury Phoenix Trust, e organizaram, em 20 de abril de 1992, no Wembley Stadium, o concerto beneficente The Freddie Mercury Tribute Concert, para homenagear o trabalho e a vida de Freddie.

O cantor também foi conhecido pelo pseudônimo de Larry Lurex e pelo apelido Mr. Bad Guy.

Freddie Mercury era proprietário de uma voz potente. Contam alguns que, durante as gravações do álbum Barcelona, Freddie desafiou Montserrat Caballé, uma das cantoras líricas mais conhecidas no mundo, para ver quem possuía maior fôlego. Mercury venceu com uma grande vantagem.

Em 1992, dão-se os Jogos Olímpicos de Barcelona, um ano depois da morte de Freddie Mercury, nos quais Montserrat Caballé intrepreta a famosa canção "Barcelona" (gravada em 1988) num dueto virtual com o cantor falecido. Ainda hoje o dueto é recordado como um marco histórico da música.
 


 Discografia-solo
    Mr. Bad Guy (1984)
    Barcelona (álbum) (1988 - com Montserrat Caballé)
    The Freddie Mercury Album (versão estadunidense - 1992)
    The Great Pretender (1992)

terça-feira, 12 de julho de 2011

13 de JULHO DIA MUNDIAL DO ROCK

Hoje é o Dia Mundial do Rock


Surgido em meados dos anos 50 nos EUA, o Rock n Roll tem suas raízes na música negra americana, em especial no Blues. O ritmo quebrava totalmente qualquer conceito musical até então existente .

Rotulado pelos mais conservadores de “música do diabo”, o rock precisou que um jovem branco, de voz potente e cheio de suingue o tirasse dos guetos. Elvis Presley, considerado por muitos como o Rei do Rock, tornou esse estilo irresistível para gerações inteiras.

Nos anos 60, foi a vez de um grupo inglês estourar no mundo inteiro. Os Beatles, um quarteto de rapazes de Liverpool, enlouqueceram platéias nos cinco continentes. Nesta década também o rock passou a ter uma atitude mais politizada e contestadora. Surge a contra-cultura, e seu auge é o Festival de Woodstock, nos EUA. Nessa época destacam-se também os Rolling Stones (que continuam na ativa até hoje), The Doors, Jimi Hendrix entre outros. [Stones]

Nos anos 70, o rock já atinge um público cada vez maior. Passa a ser mais popular, é a cultura de massas atuando sobre a música. Surgem vertentes como o progressivo e o punk rock.  Surgem bandas legendárias, que lotam estádios em seus shows, como Black Sabbath, Led Zeppelin, Pink Floyd, Yes, Genesis, Kiss.

Os anos 80 são marcados por uma diversificação gradativa do rock. Embora muitas bandas desta época cultivarem um forte apelo contestador, muitos críticos lamentam a descontinuidade do puro rock n roll. É a vez do Pop Rock e da New Wave fazerem sucesso ao ritmo do The Cure, New Order, Bon Jovi, Talking Heads, The Clash, e The Police. No Brasil nsurgem bandas que fazem sucesso até hoje, como os Paralamas do Sucesso, Capital Inicial e Ira!.

Seattle, anos 90. Esta cidade americana é berço de um rock mais cru, desleixado e visceral, batizado de Grunge. Uma banda em especial faz o mundo reviver a magia e o veneno da “música do diabo”: Nirvana. Mas foi por pouco tempo.Kurt suicidou-se aos 27 anos, mesma idade em que morreram Jimi Hendrix e Jim Morrison. Outras bandas marcantes foram o Pearl Jam e o Guns n Roses.

Atualmente o rock convive com muitos estilos e influências. Houve fusão com praticamente todos os ritmos existentes, até mesmo com o samba, ao suíngue de Jorge Ben. E muitos outros instrumentos musicais se juntaram às guitarras, baixos e baterias. Elementos eletrônicos também são muito utilizados e várias releituras são feitas, mas as características que identificam o rock são eternas. Já diziam os Rolling Stones: "its only rock n roll, but I like it"! (É apenas rock n roll, mas eu gosto).


Não se sabe ao certo quando o rock surgiu, alguns datam com o lançamento de Rockt 88, gravado por Jackie Brenston e outros com Shake, Ratlle and Roll gravado por Big Joe Turner e Bill Halley. Mas é importante que se diga que o gênero transcendeu gerações, misturando influências, ritmos, instrumentos e transmitindo uma forma irreverente de música. É por isso que hoje há tantas vertentes do rock como o grunge, por exemplo, com Nirvana, Pearl Jam; trash (Killem All); college rock (R.E.M); o rock alternativo; rock progresivo e o que se chama hoje de – novo rock. Emergiram na última década bandas de garagem sem nenhuma pretensão de redefinir o gênero, mas simplesmente artistas apresentando o bom e velho rock de cara nova, com todas as suas idiossincrasias, mostrando atitude e fazendo história – apesar da música viver um momento conflitante com a internet e os Justins Biebers da vida.

A data 13 de Julho ficou conhecida como o Dia Mundial do Rock quando Bob Geldof organizou o Live Aid, um show simultâneo em Londres na Inglaterra e na Filadélfia nos Estados Unidos pelo fim da fome na Etiópia. Neste evento vários artistas participaram, entre eles The Who, Status Quo, Led Zeppelin, Dire Straits, Madonna, Queen, Joan Baez, David Bowie, BB King, Mick Jagger, Queen, Sting, Scorpions, U2, Paul McCartney, Phil Collins, Eric Clapton e Black Sabbath.SÃO PAULO - O Dia Mundial do Rock que é comemorado neste 13 de julho, foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), como uma homenagem ao megaespetáculo Live Aid, criado a fim de arrecadar fundos para combater a fome na África. Um grande show com os nomes mais importantes do rock mundial foi realizado simultaneamente em Londres, na Inglaterra, e na Filadélfia, nos Estados Unidos nesta mesma data, em 1985.


Ouça canções que marcam a história do rock e seus ídolos, como The Beatles, Tha Rolling Stones, Elvis Presley, Jimi Hendrix, U2, Pearl Jam, The Who, Radiohead, The Police, The Smiths e muitos outros. A história do rock começa no final da década de 40 e início dos anos 50, nos Estados Unidos, e se espalhou pelo mundo. Há controvérsias sobre qual foi a primeira gravação do rock, que marcaria o início do gênero musical, mas uma das primeiras e mais famosas canções foi Rock Around The Clock, de Bill Haley, em 1955